[dismissable_alert class=”alert-success” ]clique em uma das imagens abaixo para vê-las em um slideshow de tela cheia. Para saber mais sobre o livro, clique aqui.[/dismissable_alert]

Uma pequqne História da Fotografia Contada em Algumas Tomadas

Janaina Melo

Nos trabalhos de Cássio Vasconcellos a pictorialidade ganha forma na cidade, produzindo uma imagem que não deflagra o limite entre captação e manipulação. Não há como garantir que a imagem tenha sido feita como se apresenta ou se foi manipulada. Há uma certa insistência no ângulo que, de cima, transforma todos os objetos e espaços de uma cidade numa superfície plana e silenciosa. Tendo como tema a cena urbana, a imagem fotográfica lida com processos de impressão que se aproximam dos fazeres da pintura e da gravura. Nada documental, sua percepção da paisagem urbana acaba por desvelar a cidade em fachos de luz e cor, numa reclassificação e ordenação do contexto urbano transformando aquilo que poderia ser caos, ruído e movimento em absoluto silêncio.

Sobre Cássio Vasconcellos – Fotografia na Arte Brasileira do Séc XXI

“Cássio Vasconcellos nasceu em São Paulo, em 1965, onde vive e trabalha. Estudou na extinta Escola de Fotografia Imagem-Ação em 1981, quando iniciou seu trabalho autoral, tendo feito suas primeiras exposições individuais já em 1983. Embora tenha trabalhado com fotojornalismo e publicidade para revistas e jornais, nunca abandonou sua pesquisa pessoal, Cássio se utiliza de variadas estratégias e técnicas fotográficas para identificar ou criar padrões gráficos que causam estranhamento a partir de referenciais reconhecíveis, assumindo o ato fotográfico como manipulação do real mesmo quando se pretende como simples enquadramento do mundo. Em sua obra, permite-se também intervenções mais incisivas, utilizando, por exemplo, holofotes coloridos para iluminar cenas noturnas posteriormente impressas no filme saturado de uma Polaroid. E frequente o ponto de vista aéreo perpendicular ao chão, em plongée, e a manipulação direta da imagem – seja digital, em painéis de grande formato compostos por situações de ocupação humana prováveis, mas implausíveis, seja analógica, em interferências plásticas no negativo.”

FOTOGRAFIA NA ARTE BRASILEIRA SÉC XXI
Ed. Cobogó, Rio de Janeiro, 2013
Imagem da Capa: Rosângela Rennó